Em 9 de setembro, o Conselho de Administração da International Development Finance Corporation (DFC) dos EUA aprovou um empréstimo de até $200 milhões para a Central Térmica de Temane e concordou em fornecer até $1,5 bilhões em seguro de risco político para apoiar a comercialização de reservas de gás natural na Área 4 da Bacia do Rovuma em Moçambique.

Juntos, os dois acordos representam um investimento substancial dos Estados Unidos que irá melhorar o acesso à energia, lançar as bases para o crescimento transformacional em Moçambique alimentado pelo setor de gás natural e cumprir a promessa dos EUA da Prosper Africa anunciada no ano passado em Maputo para aumentar Investimento dos EUA na África.

O empréstimo da DFC de até $200 milhões à Central Térmica de Temane (CTT) financiará o desenvolvimento, construção e operação de uma usina de 420 megawatts e uma linha de interconexão de 25 quilômetros, que diversificará o fornecimento de energia do país e reduzirá o custo de eletricidade. Como cerca de 33% da população de Moçambique tem acesso à eletricidade, este projeto ajudará Moçambique a avançar em direção ao seu objetivo de alcançar o acesso universal à energia até 2030.

 

A provisão da DFC de $1,5 bilhão em seguro contra riscos políticos apoiará o desenvolvimento, construção e operação de uma planta de liquefação de gás natural em terra, juntamente com instalações de apoio. Este projeto de energia proporcionará um impulso significativo ao PIB de Moçambique, visto que o país surge como um dos maiores exportadores mundiais de gás. Combinado com parcerias voltadas para o futuro entre o governo e o setor privado - o projeto tem o potencial de fazer a economia crescer para atender às necessidades do povo moçambicano.

O Embaixador dos EUA, Dennis Hearne, deu as boas-vindas à notícia. “Estes projectos vão ter um impacto significativo no desenvolvimento de Moçambique, melhorar a vida e criar uma oportunidade única para o país construir um futuro mais próspero para todos os moçambicanos”, disse.

Estes projectos e financiamento assentam numa base de mais de $500 milhões em assistência anual que o Governo dos EUA fornece para melhorar a qualidade da educação e saúde, promover a prosperidade económica e apoiar o desenvolvimento geral de Moçambique.

O DFC tem parceria com o setor privado para financiar soluções para os desafios mais críticos que o mundo em desenvolvimento enfrenta hoje. Foi estabelecido pela aprovação de 2019 do BUILD Act (Better Utilization of Investments Leading to Development), que fortaleceu e modernizou as finanças americanas para o desenvolvimento. O BUILD Act combinou as capacidades da Overseas Private Investment Corporation (OPIC) e da Autoridade de Crédito de Desenvolvimento, que anteriormente fazia parte da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID).

Fonte: Clube de moçambique