O Ministro dos Recursos Minerais e Energia de Moçambique, Max Tonela, reiterou esta sexta-feira o compromisso do país na exportação de gás natural isento de carbono, utilizando tecnologias que reduzem as emissões poluentes pelas petrolíferas.

“O governo decidiu iniciar um processo de descarbonização do gás. Embora tenhamos um gás que já tem um baixo conteúdo de emissão, estamos priorizando o uso de tecnologias de descarbonização pré-existentes ”, disse o ministro Tonela.

Em declarações aos jornalistas sobre o futuro da energia fóssil face à crescente preocupação global com as alterações climáticas, o ministro referiu que a indústria do petróleo desenvolveu tecnologias para retirar o carbono do gás e devolver o poluente à sua fonte, com vista à exportação de um ambiente limpo produtos.

Max Tonela disse que o gás natural moçambicano tem pouco “conteúdo poluente”, e será decisivo na desactivação das centrais eléctricas a carvão na África Austral e noutros locais, no contexto da redução das emissões de dióxido de carbono.

“Veremos um aumento no consumo de gás, por ser o menos poluente entre os combustíveis fósseis, e também veremos um aumento acelerado das energias renováveis, que ainda são uma fonte intermitente de energia”, disse a ministra Tonela.

Moçambique, com as suas enormes jazidas de gás, quer ser um actor activo na descarbonização, utilizando o recurso para o desenvolvimento económico do país, da África Austral e de outros países, acrescentou.

Fonte: Clube de moçambique